segunda-feira, 5 de setembro de 2011

REM (rapid eye movement)

Acabamos de conhecer este trabalho que é realmente fantástico, visite o blog do Leo Lobos clicando aqui e confira!

Por Leo Lobos


clip_image001
                   Pintura eletrônica - Leo Lobos

Paisagem - Miragem

                             Ao escritor britânico Artur C. Clarke in memoriam

As ovelhas que pastam distante são chacais
um trem
estremece a cidade
e os anjos do cemitério choram pó
As palavras são portas que abrem e fecham suas asas
as palabras são múltiplas e contraditórias
e possuem o ritmo do trote de um cavalo na campina
Um dia vem depois de outro dia
e para mim
um dia nunca é um dia qualquer
são estas as responsabilidades do ser
em uma paisagem deserta de humanidade



clip_image001[5]

Sonho tenaz
                            Ao escritor chileno Roberto Bolaño in memoriam

Um diário descontínuo
que abre e fecha
com uma orquestra que acompanha
poesia
vertiginosa e sincopada
comovedor
romântico
Rimbaud em fuga perpétua
E já sabes como és
Cesaréa disse uma vez
para além do ano 2600
queimando as mãos e os pés
por cada poema
exalado
O que há por detrás?



clip_image001[7]

Paralisia do sonho

                              “Pequeñas motas de luz etéreas burbujas
                               diminutas pecas en la lente externa del ojo” 
  Ray Bradbury

Nunca sinto que sou eu quem faz arte
Não sei de onde vêm minhas idéias
Eu só apareço para o trabalho
E sigo minhas ordens



clip_image001[9]

Rapid eye movement

                              “No importa cómo se ponga la pintura, mientras 
que algo sea dicho” 
              Jackson Pollock

Viveram lendo
Escrevendo
Rezando
Muito além do monólogo interior
Muito além da morte



clip_image002

Temor

                          “La mejor parte es sentirse vivo pintando y la peor
                               es necesitar hacer pinturas para sentirse vivo”
       Geoffrey Lawrence

Reverência emocionada
quando tudo
deixa
de
importar
quando tudo está escuro
quando tudo está perdido
Que a musa te toque com seus
dedos as costas
e te empurre ao caminho
Que a frieza das cidades
que a rosa do nada
que a lama imóvel
que a areia movediça do deserto
não apaguem a tristeza da tinta
que há de alcançar a água
E seja ar movido por lábios
uma
vez
mais


Tradução: Geruza Zelnys de Almeida
(Mestre em Literatura e Crítica Literária PUC Sao Paulo)

Rapid eye movement (REM) é uma seleção de cinco poemas inéditos acompanhados com desenhos de Leo Lobos, escritos nas cidades de Ovalle, IV região, e San Pedro de Atacama, II região, e editado na cidade de La Serena, Chile, no mês de abril de 2008.

Leo Lobos (Santiago de Chile, 1966) poeta, ensaísta, tradutor e artista visual. Possui as seguintes publicações: Cartas de más abajo (1992) editado pela Faculdade de Artes da Universidade do Chile e Arrayán editores, + poesía (1995) súper yo editores, ángeles eléctricos (1997) Luis Saldias editorial, Camino a Copa de Oro (1998) edições Pazific Zunami, Perdidos en La Habana y otros poemas (1999), Cielos (2000), Nueva York en un poeta (2001), a seleção antológica Turbosílabas (2003) pela editora gato de papel que reúne seus poemas de 1986 a 2003, Devagar (2004), Un sin nombre (2005), Nieve (2006), Vía regia (2007) e No permitas que el paisaje este triste (2007). Como co-editor, junto com o artista visual Rafael Insunza, publicou o livro em homenagem ao poeta chileno Pablo Neruda: Diez máskaras y un kapitán el año 1998, uma homenagem ao poeta universal dos artistas visuais Rafael Insunza, Jorge Cerezo, Rafael Gumucio, Sergio Amira y Claudio Correa com o patrocínio da Fundação Pablo Neruda e da Universidade do Chile, editora Pazific Zunami. Participa com seus poemas, ensaios, ilustrações, fotografías e traduções dos meios culturais no Chile e em outros países, tem sido traduzido ao inglês, português, holandês, francês e alemão. Vem realizando inúmeras exposições individuais e coletivas; suas pinturas, ilustrações, poemas visuais e desenhos fazem parte de coleções privadas na França, Brasil, México, Estados Unidos e Chile. Leo Lobos foi agraciado com a bolsa UNESCO-Aschberg de literatura em 2002 e fez residência criativa no Centre de Arte de Marnay Art Center CAMAC na cidade de Marnay-sur-Seine, França entre 2002-2003. E-mail:tallerleolobos@yahoo.com

7 comentários:

  1. Arthur C Clarke, Ray Bradbury, Roberto Bolaño, Pollck, y muchos muchos artistas, poetas y escritores dialogando con y en el arte y la poesía de Leo Lobos. Un movimiento rápido del ojo, un movimiento certero. Pocas veces he oído-mirado un diálogo tan intenso y tanta vitalidad que al unísono despierte tanta poesía y tanta humanidad. Gracias amigos por dejar huellas en la tierra, en el aire, en el mar, en el fuego y a donde llegue la humanidad.
    Un abrazo desde las Islas Canarias (España)
    Antonio Arroyo.

    ResponderExcluir
  2. Novamente agradecemos-lhe Antonio.
    Fique à vontade por aqui, a casa é sua!

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. una exelente reseña del trabajo de este gran artista visual, una invitaciòn a pasear permanentemente por su obra.
    Felicitaciones al espacio de difusiòn

    ResponderExcluir
  4. Magnífico leer los poemas del artista chileno Leo Lobos, en portugués acompañado de estos cuadros fantásticos, mis felicitaciones por compartir,

    Claudio Moreno

    ResponderExcluir
  5. Leo Lobos un poeta y artista chileno de valor universal, aquí en portugués, MARAVILLOSO!!!

    María José Contreras

    ResponderExcluir
  6. La real sabiduría radica en tener sueños bastante grandes para no perderlos de vista mientras intentamos alcanzarlos y finalmente comprender que el sólo hecho de intentar alcanzarlos ya los hace mágicamente reales.
    Maravillosa publicación, bellísimos versos
    re-unidos reflejando cada color, cada imagen, cada forma, poesía viva con cuerpo y espíritu. Observamos el sueño de Leo Lobos que nos convoca a vivirlo como si fuera nuestro, acompañándo-nos, ligándonos a la vida,

    Alejandra González Ortega
    Santiago de Chile
    6 de septiembre de 2011

    ResponderExcluir

Comente